(Fragmento de um conto)
(...) Sem que se tivesse dado conta, o dia apagou-se. Num aconchego cósmico, a noite chegara de mansinho, tão brilhante que fazia qualquer olhar ancorar-se na lua (...) Era uma manhã perfumada pelas amendoeiras doces... As flores do prado sorriam para as andorinhas, enquanto os cometas se escondiam do outro lado do mundo (...) O olhar curioso não lhe cabia no rosto (...) Um lugar onde as janelas são poemas, onde os jardins são os da alma e os caminhos, do coração...

Sem comentários:

Enviar um comentário